Eduardo Leite sinaliza que está disposto a disputar a Presidência em 2022

Bolsonaro rebaixa Mourão a vice que não cabe na decoração
fevereiro 11, 2021
Vanessa da Mata completa 45 anos; veja imagens da cantora que ‘quebraram’ a internet
fevereiro 12, 2021

Eduardo Leite sinaliza que está disposto a disputar a Presidência em 2022

(JBCNEWS – DF 12/02) – O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, sinalizou nesta quinta-feira (11) que está disposto a disputar a vaga de candidato do PSDB à Presidência da República em 2022. Em almoço com parlamentares e dirigentes tucanos, ele reforçou a necessidade de haver diálogo político para que reformas sejam aprovadas.

O evento foi uma reação à tentativa de João Doria, governador de São Paulo, de tomar controle do partido em um movimento para consolidar sua candidatura.

Leia também

No entanto, Eduardo Leite atraiu o interesse de congressistas de diversos estados e reuniu cerca de 20 participantes no almoço de hoje.

Em entrevista a jornalistas, nesta quinta, o governador gaúcho alfinetou Doria ao lembrar do voto “Bolso Doria” em 2018. O governador paulista quer se apresentar na próxima eleição como candidato de oposição ao governo Jair Bolsonaro.

“Diferentemente do governador Doria, eu não fiz campanha casada com Bolsonaro, não manifestei apoio ao candidato. Em nenhum momento misturei o meu sobrenome ao dele. Pelo contrário, me manifestei como eleitor entre duas alternativas, para que logo depois de tantos escândalos de corrupção, não houvesse o retorno ao poder do PT”, disse.

Em mais um recado indireto a João Doria, Eduardo Leite destacou que “Presidência da República não se dá por aspiração pessoal apenas”.

“É legítimo que tenha a aspiração de ascender à posição da Presidência da República. Mas não pode de qualquer maneira, se tem verdadeira intenção de contribuir com o país, fazer a sua aspiração pessoal maior do que a necessidade de encontrar uma maior convergência, em torno de uma candidatura que represente aquilo que nós entendemos que o Brasil precisa”, afirmou.

“Porque a candidatura de um partido, especialmente como o PSDB, não é para atender aspirações pessoais, mas sim um projeto que o país precisa”, ressaltou o governador, que representa a nova política brasileira no momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *