‘Não estou ameaçando ninguém, mas estou achando que teremos problema sério no Brasil’, diz Bolsonaro.

Rivais não poupam nem Rafinha e vão à loucura com eliminação do Grêmio; confira as reações.
abril 15, 2021
Bilionário mais jovem do mundo ganhou fortuna em ‘presente’ de aniversário.
abril 16, 2021

‘Não estou ameaçando ninguém, mas estou achando que teremos problema sério no Brasil’, diz Bolsonaro.

(JBCNEWS – DF 15/04) – Pressionado pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19 no Senado, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que vê o Brasil “no limite” e que acredita brevemente que o país deverá enfrentar “um problema sério”.

“Não estou ameaçando ninguém, mas estou achando que brevemente teremos problema sério no Brasil, Dá tempo de mudar ainda. É só parar um pouco de usar a caneta e e usar o coração”.

Em outro trecho, o presidente afirma que está aguardando uma “sinalização da população” para “tomar providência”. “Olha, o Brasil está no limite. O pessoal fala que eu devo tomar uma providência. Eu estou aguardando o povo dar uma sinalização”. 

As falas genéricas e sem especificações foram feitas por Bolsonaro a apoiadores no Palácio do Planalto, na manhã desta quarta-feira (14).

Momentos antes, Bolsonaro afirmou que o país está como um “barril de pólvora” e mandou recado aos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). “Amigos do Supremo Tribunal Federal, daqui a pouco vamos ter uma crise enorme aqui”.

No vídeo, o chefe do Executivo não dá detalhes sobre qual seria a “providência” ou por quais razões, em sua avaliação, o país seria um “barril de pólvora”.

O início da fala de Bolsonaro aos apoiadores foi marcado por críticas à imprensa e às políticas de restrições de circulação adotadas por alguns governadores e prefeitos na tentativa de frear a 2ª onda de contágio da pandemia da Covid-19.

QUEIXA NO STF POR GENOCÍDIO NA PANDEMIA 

Bolsonaro também fez um alerta a respeito da decisão da ministra Cármen Lúcia, do STF, a respeito de uma notícia-crime apresentada contra o presidente por suspeita de genocídio contra indígenas na pandemia do coronavírus.

“Vi que um ministro baixou um processo para me julgar por genocídio. Olha, quem fechou tudo, quem está com a política na mão, não sou eu. Eu não quero brigar com ninguém, mas estamos na iminência de ter um problema sério no Brasil. O que que vai nascer disso tudo? Onde vamos chegar? Parece que é um barril de pólvora que está aí”, completou.

Na terça-feira (13), a magistrada pediu que o presidente do STF, ministro Luiz Fux, marque o julgamento de uma da notícia-crime, no qual será decidido se a PGR (Procuradoria-Geral da União) deve abrir ou não inquérito contra Bolsonaro.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, já se manifestou contra a abertura do inquérito. No entanto, houve recurso, e o caso começou a ser analisado no plenário virtual. O ministro Edson Fachin pediu que o processo fosse remetido ao plenário do Supremo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *